WhatsApp

Como otimizar as metodologias ativas de aprendizagem através do BPMS

24 janeiro, 2024 13 min de leitura Autor: Wendel Soares

metodologias ativas

Em um mundo hiperconectado, as metodologias ativas de aprendizado se tornaram o diferencial na área da educação. Afinal, elas são capazes de transformar as antigas práticas passivas de ensino em uma forma inovadora e interativa que revoluciona a relação entre alunos e professores.

Além disso, ao buscar uma abordagem tecnológica e digital, cria-se maior autonomia dos estudantes e, por outro lado, dá maior autonomia para os gestores da educação aproximarem assuntos importantes do dia a dia dos alunos.

Por isso, o Holmes preparou esse conteúdo exclusivo e completo. Nele, vamos explicar o que são as metodologias ativas de aprendizagem, quais os principais tipos e como utilizar uma ferramenta BPMS  para extrair o melhor de cada uma delas. Confira conosco e boa leitura!

Afinal, o que são metodologias ativas de aprendizagem?

De modo similar ao que acontece em empresas,os estabelecimentos privados de educação necessitam realizar a gestão de processos de negócio enquanto cuidam do ensino. Por exemplo, faculdades particulares, cursos preparatórios, centros de treinamento, escolas técnicas ou de idiomas.

E como o acesso à internet mudou a forma como nos relacionamos com o aprendizado, também foi necessário a existências de outros modos de ensinar.

Neste contexto, podemos afirmar que as metodologias ativas de aprendizagem são todas as técnicas, recursos e soluções que trocam o modelo tradicional de ensino pelo protagonismo dos alunos. Ou seja, ao invés da transmissão exclusiva de conhecimento, busca-se o desenvolvimento de habilidades através de atividades inovadoras.

Como surgiu o conceito das metodologias ativas?

Ainda que o modelo ativo de aprendizagem seja algo dinâmico e adaptável à realidade, os primeiros a usá-lo foram os professores estadunidenses Charles Bonwell e James Eison, em 1991. Na ocasião, eles publicaram o livro “Active Learning: Creating Excitement in the Classroom”.

Em resumo, o conteúdo abordava a necessidade de se pensar e aplicar práticas que fossem além das aulas expositivas e que gerassem maior assimilação e interesse dos alunos.

Sendo assim, a proposta era que o educador saísse do papel protagonista do ensino e passasse a ser um mediador do conhecimento. Em outras palavras, as metodologias ativas seriam aquelas que focassem em uma visão mais ampla e argumentativa de ensino, fosse ele acadêmico, profissional ou social.

metodologias ativas

Como as metodologias ativas se tornaram essenciais na aprendizagem?

Se há 3 décadas já se pensava em como envolver os estudantes no processo educacional, pense com a gente: o que mudou após o uso maciço do ambiente virtual?

Pois isso responde o porquê o uso de metodologias ativas passou a ser necessária para a promoção de uma educação realmente forte.

Além disso, os estudos analíticos sobre o assunto já comprovaram que esses métodos reduzem as taxas de reprovação, melhoram a motivação dos estudantes, aprimoram habilidades de pensamento crítico e ajudam a consolidar a compreensão dos conteúdos.

Isso porque as metodologias ativas de aprendizagem conseguem utilizar do próprio universo dos alunos para apresentar um ensino dinâmico e que engaja. E claro, se há engajamento é maior a possibilidade de haver aprendizado, não concorda?

Principais benefícios no uso de uma metodologia ativa de ensino

As metodologias ativas de aprendizagem trazem uma série de benefícios significativos para os estudantes. A seguir, destacamos as principais vantagens de usá-las.

1 | Engajamento

As metodologias ativas incentivam a participação ativa dos estudantes em seu próprio processo de aprendizagem. Dessa forma, isso os motivam a aprender mais pois estão envolvidos ativamente na construção do conhecimento.

Leia também | Key User

2 | Aprendizagem significativa

Ao envolver os estudantes em atividades práticas, discussões e projetos, as metodologias ativas promovem uma aprendizagem mais significativa. Afinal, os alunos conseguem relacionar o conteúdo com situações reais, o que facilita a compreensão e a aplicação do conhecimento.

3 | Desenvolvimento de habilidades via metodologias ativas

O pensamento crítico, a resolução de problemas, o trabalho em equipe e a comunicação se potencializa se o método de ensino é ativo. E todos sabemos que essas habilidades são fundamentais para o sucesso acadêmico e profissional dos estudantes.

4 | Autonomia e responsabilidade

Ao assumir um papel ativo em sua própria aprendizagem, os estudantes desenvolvem autonomia e responsabilidade pelo seu progresso. Sendo assim, eles se tornam mais autônomos na busca por conhecimento e aprendem a gerenciar seu tempo e recursos de forma eficaz.

5 | Maior retenção do conhecimento

As metodologias ativas promovem uma maior retenção do conhecimento, pois os estudantes estão envolvidos em atividades práticas e aplicação do conteúdo. Isso ajuda a consolidar o aprendizado e torná-lo mais duradouro.

6 | Estímulo à criatividade

Por fim, se há o uso de uma metodologia ativa, a tendência é que os estudantes se desafiem mais e tragam soluções com maior criatividade e inovação. Em resumo, isso estimula o pensamento fora da caixa e a gerar novas ideias.

metodologias ativas

10 tipos de metodologias ativas mais usadas na educação

Até aqui, entendemos o que é como o uso das metodologias ativas contribuem para o aprendizado. Então é hora de conhecer, na prática, as alternativas mais populares nas diversas instituições de ensino. Continue a leitura.

1 | Gamificação: o líder das metodologias ativas na vida educacional e corporativa

O termo  é bem familiar para muitas pessoas, já que não apenas os estabelecimentos de ensino adotaram elementos de games para treinar, ensinar ou informar.

De modo geral, a gamificação é o recurso de trazer elementos comuns do mundo dos jogos online para o ensino. Por exemplo, desafios, regras, narrativas e soluções visuais. Através disso, o objetivo é estimular uma aprendizagem analítica e com maior chance de assimilação.

2 | Design thinking

Outro termo muito presente no ambiente corporativo, o Design thinking é uma das metodologias ativas que busca uma abordagem múltipla para a solução de questões ou problemas. Ou seja, ele não é um processo colaborativo que tende a reunir o máximo de perspectivas diferentes sobre um tema ou assunto.

A partir disso, o uso do Design thinking propõe um ensino que una lógica, imaginação e intuição, a fim de se discutir os conteúdos a partir das diversas visões de mundo que cada aluno possa ter.

3 | Estudos de casos

Quantas vezes um educador não ouviu de seus alunos sobre um assunto ser desinteressante por não ter relação nenhuma com sua vivência? Pois dentre as metodologias ativas, o estudo de caso é uma alternativa para propor uma situação real que dialogue com o tema da aprendizagem.

Por exemplo, é possível criar grupos de trabalho para aprofundar em determinado ponto do conteúdo ou mesmo aplicar relações diretas entre o cotidiano dos estudantes com o fato que será abordado.

4 | Aprendizagem por problemas dentro das metodologias ativas

O próximo tipo de modelo ativo de aprendizagem foca em desafios para que os alunos lidem com a criatividade e reflexão para solucionar problemas. Em resumo, o professor pode criar cenários que exigem algum tipo específico de habilidade.

Além disso, a aprendizagem por problemas é capaz de estimular comportamentos técnicos ou emocionais e desenvolver características nos alunos que podem ser o diferencial no mercado de trabalho. Por exemplo, resiliência, proatividade e liderança.

5 | Storytelling ou a arte de contar uma história

Dentro do marketing digital, o storytelling é o recurso onde vídeos, textos ou até mesmo imagens buscam uma narrativa que envolva o usuário. De modo similar no ambiente educacional, o storytelling faz parte das metodologias ativas ao usar do conceito para contextualizar o conteúdo dentro da sala de aprendizagem.

Para isso, o professor pode usar de recursos audiovisuais, apresentações teatrais, música, dentre outros, para potencializar a assimilação de um conteúdo a partir de uma história que se aproxime dos alunos.

6 | Cultura maker

Com base no princípio do “Faça você mesmo”, a Cultura maker é uma metodologia que encoraja os alunos a aprender a partir da prática. Ou seja, colocando a mão na massa e construindo projetos tangíveis. Isso pode envolver, por exemplo, a utilização de tecnologias como impressoras 3D, cortadoras a laser, eletrônica, programação, marcenaria, entre outros.

A cultura maker promove a colaboração, o compartilhamento de conhecimento e a comunidade. Makers de diferentes áreas se reúnem para trocar ideias, aprender uns com os outros e colaborar em projetos conjuntos. Além disso, essa abordagem colaborativa e aberta estimula a inovação e o desenvolvimento de soluções criativas.

7 | Aprendizagem por projetos

A aprendizagem por projetos é uma abordagem educacional que coloca os estudantes no centro do processo de aprendizagem. Dessa forma, eles podem trabalhar em projetos que requerem a aplicação de conhecimentos e habilidades em um contexto real.

Na aprendizagem por projetos, os estudantes são desafiados a investigar, explorar e resolver problemas reais, aplicando conceitos e teorias aprendidos em sala de aula.

Também merece destaque dentre as metodologias ativas que, ao trabalhar em projetos, os estudantes também desenvolvem habilidades transferíveis. Por exemplo, resolução de problemas, trabalho em equipe, gerenciamento de tempo e comunicação eficaz.

8 | Ensino online ou híbrido

Desde o fim da pandemia, o uso do universo online para o aprendizado passou a ser muito mais presente no ambiente educacional. E ele figura entre as metodologias ativas pelo fato de trazer maior autonomia para o aluno.

Afinal, o professor se faz presente a partir de videochamadas ou em uma parte da aprendizagem, o que exige dos estudantes uma organização melhor de tempo, dedicação e estudo.

Por fim, é possível caracterizar o papel do educador neste modelo mais como mentor. Ou seja, ele orienta pontos específicos na jornada de aprendizagem, ao invés de conduzi-la, como acontece no formato tradicional.

9 | Da tradição às metodologias ativas: seminários e workshops

Este é um caso de um recurso utilizado ao longo dos séculos que se adaptou rapidamente às novas demandas educacionais e passou a ser uma das metodologias ativas. Afinal, há muito tempo, seminários e workshops deixaram de ser monólogos de uma única pessoa e se tornaram interativos e convergentes.

Isso porque, para realizá-los, os educadores costumam criar um ambiente de debate ou diálogo, além de usar ferramentas audiovisuais ou dinâmicas em grupo. Desse modo, torna-se mais fácil criar aproximação e envolvimento dos alunos presentes.

10 | Pesquisas in loco

Por último, temos as pesquisas que ocorrem fora do ambiente da sala de aula. Em outras palavras, isso engloba visitas técnicas, passeios de observação ou aulas expositivas realizadas por pessoas com expertise em determinada área de estudo.

Contudo, mais uma vez, é um recurso que oferece múltiplas possibilidades, já que permite um trabalho coletivo e que tire os alunos da zona de conforto.

metodologias ativas

Como uma ferramenta BPMS pode contribuir na aplicação de metodologias ativas de aprendizagem?

Primeiramente, vamos relembrar que uma ferramenta BPMS é um sistema capaz de automatizar processos e fornecer um gerenciamento completo de quaisquer atividades corporativas. Sendo assim, o uso dela na aprendizagem também se faz necessário, uma vez que o segmento também precisa de uma eficiente gestão de negócios.

Abaixo, relacionamos o BPMS como aliado importante para instituições de ensino que colocam ou pretendem inserir as metodologias ativas em suas atividades.

1 | Automação de processos

Da mesma forma que uma ferramenta BPMS permite automatizar processos administrativos e burocráticos, como matrículas, controle de presença e avaliações, ela também pode auxiliar na organização do fluxo de trabalho dos professores. Por exemplo, ao lançar notas ou disponibilizar conteúdos adicionais e complementares de suas aulas. Tudo isso, em um único ambiente.

Saiba mais | Soluções Holmes para o departamento financeiro

2 | Gerenciamento de projetos

Se antes abordamos a aprendizagem por projetos como uma das metodologias ativas, é necessário explicar que, com uma ferramenta BPMS, é possível que educadores criem e acompanhem projetos de qualquer lugar. Além disso, ele consegue atribuir tarefas aos estudantes, monitorar o progresso e avaliar os resultados. Isso facilita a organização e o acompanhamento das atividades, promovendo uma aprendizagem mais estruturada.

3 | Comunicação e colaboração

Uma ferramenta BPMS oferece recursos de comunicação e colaboração, permitindo que educadores e estudantes interajam de forma mais eficaz. Isso porque eles podem compartilhar informações, documentos e recursos, realizar discussões e trabalhar em equipe de maneira centralizada.

4 | Monitoramento e avaliação

Com uma ferramenta BPMS, é possível monitorar o desempenho dos estudantes e avaliar seu progresso de forma mais precisa. Além disso, os educadores podem acompanhar o envolvimento dos estudantes, identificar áreas de melhoria e fornecer feedback personalizado com uma intervenção mais oportuna e eficaz.

5 | Análise de dados, avaliação e feedbacks

Uma ferramenta BPMS oferece recursos de análise de dados, permitindo que educadores obtenham insights sobre o desempenho dos estudantes e identifiquem padrões e tendências.

Para instituições privadas de ensino, é uma maneira inteligente de tomar decisões informadas. Afinal, isso permite adaptar as estratégias de ensino e personalizar a experiência de aprendizagem de acordo com as necessidades individuais dos estudantes. E também ter feedbacks e acompanhar a avaliação de alunos, profissionais e educadores.

Leia também | Indicadores de desempenho de processos

6 | Implementação e escalabilidade

Por fim, merece destaque a facilidade que é implementar uma ferramenta BPMS como a do Holmes. Isso porque utilizamos sistemas de low code ou no code, que não exigem conhecimento profundo de códigos de programação e podem se adaptar às necessidades da sua instituição de ensino.

Dessa forma, você adequa a plataforma para atender às suas demandas e pode atualizá-la sempre que for necessário uma mudança, sem comprometer o fluxo de trabalho

Conheça o Holmes e potencialize o uso de metodologias ativas de aprendizagem!

Após compreender o que são metodologias ativas e como uma ferramenta BPMS pode tornar seu trabalho muito mais otimizado e eficaz, que tal conhecer a melhor opção para o sua instituição de ensino?

Com o Holmes, você terá uma ferramenta em que você poderá automatizar tarefas, realizar controle de prazos e ter rastreabilidade para as atividades do seu negócio, alunos, educadores e colaboradores.

E o melhor: nossa ferramenta não exige conhecimentos avançados sobre programação e oferece soluções personalizadas para o seu negócio.

Entre em contato conosco e agende gratuitamente uma demonstração com um de nossos especialistas. Para outros conteúdos como este, continue conosco no Blog do Holmes.

Quer receber mais conteúdos brilhantes como esse de graça?

Inscreva-se para receber nossos conteúdos por email!